she

•April 14, 2009 • 1 Comment

she

•April 6, 2009 • 3 Comments

Sofia Abraços – Serva la Bari

•January 30, 2009 • 3 Comments

De Lisboa

•October 25, 2008 • 3 Comments

Árvores

•October 22, 2008 • Leave a Comment

Campos de Nisa

•October 19, 2008 • Leave a Comment

os comboios, à noite

•October 16, 2008 • 1 Comment

Cada vez que oiço um comboio à noite sinto que a vida não acaba. Passam por trás das casas, no fim do bairro, uma fitinha de janelas iluminadas, rápidas, que estremecem as árvores, estremecem as molduras na parede, me estremecem a mim, e a seguir as árvores, as molduras e eu a recompor-nos, e a seguir nada. Uma espécie de vento, talvez, antes de tudo quieto de novo. Na fitinha de janelas iluminadas nunca há pessoas: os comboios, à noite, não transportam ninguém, dirigem-se não sei para onde, não chegam nunca a parte alguma: viajam interminavelmente, sem destino, indiferentes aos apeadeiros vazios, com uma balança, um relógio e uma máquina automática de cigarros, por vezes cães enrolados entre os bancos desertos, por vezes um pedaço de jornal às cambalhotas nas plataformas onde nenhum passageiro espera: os comboios, à noite, viajam insones num mundo morto, com as insígnias dos pronto-a-vestir apagados e os olhos dos manequins ocos nas vitrinas, os dedos delicados, de pasta, imóveis numa linguagem de surdos-mudos que o escuro não entende: um pedido de socorro, um cumprimento, um aviso?
(…)

António Lobo Antunes in Meu menino, ino, ino – Visão 18 de Agosto de 2005

 
Follow

Get every new post delivered to your Inbox.